Home do site » Comitês &. Grupos » Disseminação » Por que as redes sociais nos tornam não sociais
Por que as redes sociais nos tornam não sociais

Você acha que a rede social que você usa foi criada de acordo com as melhores intenções? Absolutamente não.

Uma recente pesquisa da BBC analisou o trabalho meticuloso que torna as aplicações de redes sociais o mais atraente possível e relata que cerca de um terço da população mundial que usa redes sociais não percebe totalmente qual é o problema: sua exposição inadvertida à manipulação de uma poderosa indústria dedicada à criação de um vício em drogas para seu retorno financeiro.

As redes sociais foram deliberadamente construídas para influenciar nossas emoções, preferências, decisões, impulsos, energias, atenção e habilidades de interação. Líderes de tecnologia experientes agora falam sobre o que se tornou um processo consolidado para penetrar em nossas mentes e bolsos.

Um ex-engenheiro do Vale do Silício, Aza Raskin, disse em um relatório de investigação britânico: “É como espalhar cocaína comportamental em toda a sua interface e dá-lhe o prazer de voltar, voltar e voltar novamente”.

O presidente fundador do Facebook, Sean Parker, admitiu publicamente que a empresa pretendia catalisar o maior tempo possível de seus usuários, “explorando a vulnerabilidade da psicologia humana”. Isto é o que levou ao design de recursos de auto-validação, como “Like”, o botão que dá aos seus usuários, nas palavras de Parker, “um pequeno golpe de dopamina”, estimulando-os a publicar mais e mais conteúdo.

Um polegar para baixo para desconexão

A cultura de hoje nos mede com a popularidade do que carregamos, como se definíssemos quem somos e o quanto realmente valorizamos. Isso cria o hábito compulsivo de verificar continuamente nossos telefones inteligentes e ignorar as pessoas à nossa frente. Em particular, as jovens gerações são a prova viva deste elo que está falhando na comunicação. comunicação verbal e oral, com o contato visual e linguagem corporal, diminuiu e foi substituído com o olhar para baixo, nossos telefones, constantemente picchiettandoli com os polegares, envio de imagens e frases curtas cheias de caras do smiley. Tal comportamento afeta negativamente o desenvolvimento social de crianças e jovens, e está diretamente ligado à depressão, ansiedade, imagem negativa do corpo e solidão.

É uma situação paradoxal. As redes sociais devem criar uma interação mais humana para aliviar a solidão e a depressão, mas, pelo contrário, as pessoas que passam muito tempo nas mídias sociais como substitutas de uma conexão pessoal real se sentem mais isoladas, deprimidas e ansiosas.

Somos constantemente confrontados com os outros, somos pressionados e obcecados com a idéia de nos mostrar a imagem perfeita de sucesso e realização, enquanto na vida real há um vazio profundo que piora com essa realidade artificial.

O que podemos fazer? Hoje há tanta dependência de redes sociais que desconectá-las de uma só vez seria contraproducente. Crimes, violência, abuso de drogas e suicídios aumentariam à medida que nossas capacidades humanas fossem praticamente seqüestradas.

O que é necessário é um processo global de reabilitação social que deve ser implementado gradualmente até que se torne uma rede social alternativa e positiva, que aborde adequadamente a natureza humana e promova relacionamentos calorosos e de apoio, em vez de um lugar. sempre aberto a comentários caluniosos e vitriólicos.

Encontre o modem de nossos corações

Como podemos transformar as redes sociais em um espaço de verdadeira conexão humana que une as pessoas sem competir por tantos “gostos” e “compartilhamentos”? Podemos fazer isso concentrando-nos no poder da amizade e da união, especialmente se colocados no centro das relações humanas positivas.

A natureza já opera de uma maneira que equilibra todas as suas interações. Por exemplo, as células e órgãos de um corpo humano estão todos focados no bem-estar de todo o corpo e cada um recebe apenas o que precisa, devolvendo tudo o que pode beneficiar todo o corpo. Nós também podemos nos relacionar com esse poder positivo de amizade e união se levarmos em consideração tanto o benefício dos outros quanto o de toda a rede humana da qual fazemos parte. Nós só precisamos usar a tecnologia e todos os meios à nossa disposição mais sabiamente, para aprender e ter sucesso em conectar-se a um sistema conectado positivamente.

Mas como podemos atingir um objetivo tão alto considerando que a natureza humana é inerentemente egoísta, ou seja, ela visa se beneficiar às custas dos outros? Devemos entender que qualquer inovação tecnológica que não faça a humanidade progredir em direção a uma conexão positiva maior irá prejudicá-la. As organizações que podem influenciar a disseminação de redes sociais, incluindo governos, prestariam um bom serviço à sociedade se investigassem os efeitos nocivos das plataformas sociais e as regulassem para evitar mais danos não apenas à nossa privacidade, mas também ao nosso bem-estar geral.

Não somos projetados para processar dados como um computador ou para armazenar informações, como um servidor em nuvem. Ao ativar o modem de nossos corações, permitindo uma comunicação mais profunda e significativa, teremos uma conexão mais positiva e uma vida social muito mais satisfatória.

Em suma, as redes sociais, em sua forma atual, não podem se conectar de forma significativa. No entanto, eles nos revelam as conseqüências de nossos relacionamentos egoístas. Desta forma, podemos aprender com os problemas da situação atual e começar a nos mover em direção a uma mudança positiva. Este despertar das consciências humanas é o primeiro passo fundamental para a verdadeira transformação. Podemos iniciar imediatamente essa mudança impressionante, olhando para o futuro e tomando medidas corretivas para acabar com a lavagem cerebral cada vez mais profunda das redes sociais e investindo nossos esforços em uma profunda “lavagem do coração” global.

Originalmente publicado em Unitingeurope.blogactiv.eu

As redes sociais foram deliberadamente construídas para influenciar nossas emoções, preferências, decisões, impulsos, energias, atenção e habilidades de interação. Líderes de tecnologia experientes agora falam sobre o que se tornou um processo consolidado para penetrar em nossas mentes e bolsos.