Home do site » Notícias » Educação » Conversas de uma Nova Vida 18 - Parte 3
Conversas de uma Nova Vida 18 - Parte 3

No ponto de virada da evolução

Nós mudamos de geração em geração no processo de evolução, e depois de milhares de anos de nosso desenvolvimento chegamos a um estado especial onde existimos nesta terra como uma sociedade global e integral, comandando conhecimentos e capacidades. No processo de desenvolvimento, recebemos força, intelecto e capacidade de perceber e sentir muitas coisas, tudo o que não tínhamos antes.

Quaisquer que sejam as formas, por mais desagradáveis que sejam, nós talvez possamos aprender durante todos os estados que experimentamos, em última análise, elas nos levam a alguns estados perfeitos no final do caminho. Nós não vemos o seu fim, pois ainda estamos em processo de desenvolvimento, mas esperamos que em breve nós consigamos sentir esses estados.

Nós precisamos aprender a fazer o que precisa ser feito em um dado momento, a fim de garantir um processo de desenvolvimento fácil, gentil e confortável para nós mesmos, que nos conduzirá a um futuro promissor, à segurança, à prosperidade e à vida feliz.

À medida que passamos por vários estados no processo de desenvolvimento, percebemos que não somos realmente capazes de controlá-los. Certamente, tentamos tornar nossa vida mais confortável, mudamos a sociedade, a estrutura familiar, o sistema de criação, cultura e nossos relacionamentos mútuos, enquanto o tempo todo nós tentamos nos conduzir para um estado melhor e mais confortável. Nós nos esforçamos precisamente para isto, uma vez que somos meramente o desejo de receber prazer da vida, e na medida do possível, tentamos obter estes prazeres. Este processo acontece gradualmente, e cada vez nós usamos os meios disponíveis para nós em um dado momento.

Sempre que queremos mudar nossas vidas, nos apoiamos em realizações científicas. Estudamos para ver o que mais podemos extrair da natureza e, acima de tudo, de que maneira podemos imitá-la para organizar nossas vidas; quais leis da natureza podem ser usadas para nos proteger. Por exemplo, é útil conhecer a previsão do tempo: quais condições nos aguardam em cada estação. Precisamos estudar a natureza do homem a fim de nos fornecer os cuidados com a saúde, medicamentos; desenvolver tecnologias que facilitam o trabalho doméstico, como máquinas de lavar roupa, processadores de alimentos e outros eletrodomésticos.

Em outras palavras, acima de tudo, nos preocupamos conosco em assegurar condições confortáveis para nossa existência. Ao mesmo tempo, tentamos evitar o sofrimento tanto quanto possível, tanto o pequeno sofrimento pessoal quanto o grande, tipo global, e junto com isto, tentamos extrair prazer de cada estado. Esta é a natureza do ser humano, e todos os nossos esforços são direcionados em satisfazer nossas necessidades naturais.

Nós nos desenvolvemos através da influência de impulsos internos. Em cada momento, em qualquer estágio do desenvolvimento, surge um novo desejo em cada um de nós e nos esforçamos para atingi-lo. Se olharmos nós mesmos de lado, veremos que nos comportamos de maneira semelhante às crianças pequenas, nas quais os desejos mudam a cada minuto. Agora quero comer, agora beber, depois dormir e depois assistir a algum programa interessante na TV. E além disto, sou obrigado a trabalhar…

Em outras palavras, estou constantemente desenvolvendo sob a influência de algumas forças. Um delas que me empurra por detrás: tenho que trabalhar e preparar as necessidades da vida para mim; afinal, nada acontece agitando uma varinha mágica; e o prazer que eu desejo não chega apenas para mim por conta própria. Isso só acontece no paraíso, não na vida real.

E aqui, em primeiro lugar, surge uma pergunta: de onde vêm nossos desejos? Parte deles são determinados pela fisiologia do nosso corpo, que em certos momentos os preenche com comida, descanso e dormir. E no meio, o corpo deseja se deliciar com algo interessante.

Nós dividimos todos os nossos desejos em desejos por comida, sexo e família. Esta é uma base sem a qual não podemos existir, como qualquer outra parte do mundo animal. E além desta vida animal, desejamos ter interesses dignos de um ser humano. E isto inclui dinheiro, poder, honra, conhecimento, cultura, educação, religião e muitas outras coisas semelhantes que nós mesmos desenvolvemos e precisamos não menos do que comida, sexo e família. Às vezes, estamos prontos para sacrificar comida, sexo e família apenas para receber uma educação melhor, para fazer descobertas científicas, para enriquecer nossa vida cultural. Há pessoas que estão preparadas para literalmente se sacrificar para se tornarem ricas, alcançarem fama ou ganharem poder. E então comida, sexo e família não são mais importantes para elas; pois mal prestam atenção a isto, apenas o suficiente para alcançar o que desejam.

Todos estes desejos estão misturados dentro de cada um de nós, e todos tentam realizá-los de acordo com suas possibilidades. Mas há um conjunto completo deles em qualquer pessoa, e os meios pelos quais ele ou ela estão prontos para realizá-los dependem da educação e do ambiente da pessoa.

Para continuar a ler este artigo clique em:

https://www.iarvut.org.br/conteudo/286/4/5/Conversas_de_uma_Nova_Vida_19_-_Parte_3

E aqui, em primeiro lugar, surge uma pergunta: de onde vêm nossos desejos? Parte deles são determinados pela fisiologia do nosso corpo, que em certos momentos os preenche ...