Home do site » Notícias » Educação » Conversas de uma Nova Vida 19 - Parte 3
Conversas de uma Nova Vida 19 - Parte 3

Como desenvolver as inclinações de uma pessoa?

O ambiente determina quais inclinações são mais desenvolvidas em uma pessoa (pertencente ao corpo animal ou ao nível do homem), como as usamos e quais delas desenvolvemos em maior ou menor grau.

Se os pais colocam uma criança em um ambiente onde, por exemplo, a ciência é valorizada acima de tudo, não é surpresa que a criança também fique imbuída de sua importância e comece a entender que o desenvolvimento nesta direção é uma tarefa extremamente importante e honrosa. E mesmo que até então ela tivesse apenas inclinações rudimentares para a ciência, digamos, que ela meramente quisesse aprender algumas coisas interessantes da vida (que basicamente é um desejo comumente compartilhado), sob a influência do ambiente, estas habilidades se desenvolvem nela de uma maneira especial; um especial.

Em outras palavras, o ambiente que nos circunda pode alterar o equilíbrio de minhas inclinações dentro de mim e desenvolver algumas delas mais do que outras.

Eu mesmo experimentei isto. Meus pais realmente queriam que eu desenvolvesse minhas habilidades ao máximo, da melhor maneira possível, e por esta razão me inscreviam em vários clubes esportivos. Eu era um corredor, fazendo a corrida de 500 metros. Mais tarde, eles me mandaram para uma escola de música, e lá eu me familiarizei com a música clássica, que até hoje eu respeito, amo e entendo mais do que todos os outros tipos de música.

Mas meus pais não deram importância especial ao teatro, por exemplo, e, portanto, não me desenvolvi nessa direção. Mas a ciência e a tecnologia eram muito importantes para meus pais e para mim. Eu tinha um impulso interno natural para me envolver na ciência. E lembro-me de que eu mesmo fui me juntar a clubes infantis, onde muita atenção era dada ao estudo da física, da astronomia e de outras ciências. Eu dei toda a minha força e conhecimento para isto.

Em outras palavras, uma criança se desenvolve sob a influência do meio ambiente: a influência dos pais, o ambiente que a circunda, o lugar onde a criança vive e as oportunidades que o ambiente oferece. Em última análise, tudo isso desenvolve uma pessoa de maneira diversa; além disto, parte de suas inclinações se desenvolvem mais, outras menos, enquanto outras são suprimidas por completo.

O ambiente em que uma pessoa nasce e se desenvolve ao longo de seus exercícios de infância restringe e forma sua livre escolha. E uma pessoa continua sua vida assim. Eu nem diria que temos liberdade de escolha nisto. Talvez haja alguma, mas até mesmo o que quer que esteja lá tiramos do nosso ambiente. É uma questão de moda ou de amigos que acontecem porque estão perto de uma pessoa como se por acaso, incutam determinados valores em uma pessoa.

Nós também precisamos reconhecer a importância da experiência que acumulamos em todas as nossas vidas anteriores, das chamadas reencarnações das quais recebemos Reshimot (genes informacionais). Indo de encarnação em encarnação, uma pessoa leva consigo todo o seu potencial acumulado de desenvolvimento. Em outras palavras, depois de nascer, uma pessoa não só se desenvolve através da influência de uma sociedade cada vez mais moderna, mas dentro de um ser humano novas inclinações aparecem de geração em geração, que chamamos de genes informacionais (Reshimot), e ele ou ela se desenvolvem sob a influência deles. Isso é especialmente sentido em nosso tempo.

Se olharmos para as crianças, vemos que elas captam rapidamente algo moderno muito melhor do que nós; é como se elas já tivessem nascido preparadas para isto, tendo feito os esclarecimentos necessários e possuindo as qualidades que as ajudam a perceber o mundo moderno. Afinal, veja como elas administram habilmente com computadores, telefones celulares e outras inovações! Mas com a gente tudo é diferente. Se eu precisar descobrir alguma nova tecnologia, confio mais em meus filhos. É como se eles já tivessem uma abordagem para isto, eles parecem ter uma capacidade inata de sentir a natureza dessas coisas novas e entender como trabalhar com elas de forma completamente natural. É como se fossem “crianças índigo” (com habilidades especiais para implantar uma nova era) ou alienígenas de outro planeta!

Tomando estas crianças como exemplo, podemos ver que, evidentemente, existem genes informacionais, Reshimot, que evoluem e são transmitidos de geração em geração. Chamamos este processo de reencarnação, mas, na realidade, não há nada de místico nisso.

Tal como estamos descobrindo hoje, nós estamos todos conectados uns aos outros e, entre nós, existe um certo campo comum, semelhante a um campo gravitacional ou eletromagnético. Este é um campo de pensamentos e desejos que nos une acima do tempo e da distância. Nós existimos neste campo e, desta forma, transferimos uns para os outros, ou de geração para geração, as informações adquiridas por nós. Portanto, não é surpresa que nossos corpos físicos, existentes dentro desse campo, detectem novas informações, e assim uma nova geração imediatamente se prepara para entrar corretamente em uma nova época.

Para continuar a ler este artigo clique em:

https://www.iarvut.org.br/conteudo/287/4/5/Conversas_de_uma_Nova_Vida_20_-_Parte_3

Em outras palavras, uma criança se desenvolve sob a influência do meio ambiente: a influência dos pais, o ambiente que a circunda, o lugar onde a criança vive ...