Home do site » Notícias » Educação » Conversas de uma Nova Vida 22 - Parte 3
Conversas de uma Nova Vida 22 - Parte 3

Ensinando a se importar com o mundo

Cada um de nós tem uma predisposição para realizar ações que são desagradáveis para aqueles que nos rodeiam. Podemos dividir os atos certos ou errados nas ações de uma pessoa em relação a si mesma e às ações em relação à sociedade. Naturalmente, temos que ensinar uma pessoa a não causar dano a si, a não se machucar, porque enquanto os mecanismos de autopreservação existem dentro de nós, impulsos destrutivos também estão presentes.

Da mesma maneira, precisamos tratar o ambiente com cuidado e preocupação. O ambiente é principalmente a natureza englobando, o inanimado, vegetativo e animal em que vivemos e que precisamos preservá-los. É necessário ensinar à pessoa a atitude correta em relação à ecologia, já que nossa alimentação, clima e toda a nossa existência dependem dela. Nós vivemos dentro da natureza, e o seu vegetativo, animal, e até mesmo as partes inanimadas são de grande importância para nós, pois recebemos tudo delas. É por isso que precisamos ensinar uma pessoa a tratar seu ambiente ecológico com muito cuidado.

E segundo, precisamos ensinar uma pessoa a se relacionar corretamente com a sociedade humana, exercer uma influência positiva sobre ela, porque no final, tudo volta para a pessoa e cria uma boa atmosfera ao seu redor.

Assim, o relacionamento do homem com a sociedade e a relação da sociedade com o homem são os aspectos mais importantes da educação. Tudo o mais são apenas habilidades profissionais que precisamos dar a uma pessoa para que ela seja útil para os outros e faça uma vida honesta para si mesma.

O que nos falta em nosso desenvolvimento é principalmente a capacidade de dar a um jovem e até a nós mesmos, adultos, tal educação, tal visão da vida, que querendo mudar nossa situação, nós cuidaremos da sociedade que pode nos mudar para o melhor.

Como dissemos antes, uma pessoa não é capaz de melhorar sua vida sozinha. Isto só pode ser feito pelo ambiente, o que me obriga, suporta e altera meu sistema de valores e prioridades. Por causa disso, novos desejos aparecem em mim e eu estabeleço novos objetivos para mim mesmo.

É por isso que o futuro de uma pessoa depende apenas da escolha e criação de seu ambiente, especialmente em nossa geração global e integral que é totalmente interconectada. Qualquer pessoa no mundo determina o que vai acontecer com todos os outros. Se algum país começa a tratar mal outro, isso muda toda a vida do último, e ele precisa se defender e cuidar de sua segurança.

Essa interdependência mútua nos forçará a construir e moldar um sistema de educação global. Acima de tudo, no processo dessa criação, precisamos nos ensinar e a compreender que o nosso futuro depende inteiramente do nosso ambiente.

Surge uma questão sobre se uma pessoa tem algum livre arbítrio e possibilidade de escolha? Ela pode realmente fazer, realizar e perceber qualquer coisa do jeito que ela quer? E vemos que exatamente ela não tem sucesso nisto.

Se até agora eu me desenvolvi graças às minhas propriedades intrínsecas, aos genes com os quais nasci e ao ambiente que me formou (pais, jardim de infância e escola), então prosseguindo eu, um adulto, também posso escolher como posso mudar. Mas a realização de minha transformação sempre ocorre através da ajuda da sociedade, porque escolho e estruturo minha prioridade de preferências e decido se vale a pena estar sob a influência de uma determinada sociedade. É por isso que tenho liberdade de escolha, mas essa escolha só é exercida na escolha do ambiente.

Crédito da foto para: Ayushveda

Para continuar lendo este artigo clique em: 

https://www.iarvut.org.br/conteudo/290/4/5/Conversas_de_uma_Nova_Vida_23_-_Parte_3

Precisamos ensinar uma pessoa a se relacionar corretamente com a sociedade humana, exercer uma influência positiva sobre ela, porque no final, tudo volta para a pessoa e cria uma boa atmosfera ao seu redor.